Chape vai à Justiça com pedido indenizatório às vítimas do acidente

A Chapecoense divulgou um comunicado nesta quarta-feira revelando que entrou com uma ação contra a seguradora BISA, contratada pela empresa aérea La Mia, responsável por levar a delegação do clube até Medellín, na Colômbia. O time catarinense também informou que órgãos bolivianos estão sendo processados, embora não tenha especificado quais são eles.

Avião da empresa boliviana Lamia, fretado pela Chapecoense para transportar sua equipe. Setenta e uma pessoas morreram no acidente na Colômbia

Foto: Agência Brasil

O acidente aéreo, que vitimou 71 pessoas, acabou sendo marcado pela negligência dos funcionários da companhia aérea La Mia, que não cumpriu os procedimentos técnicos obrigatórios. Sem combustível reserva para que a aeronave pudesse sobrevoar por mais tempo caso as condições climáticas não permitissem a aterrissagem no aeroporto José María Córdova, os jogadores, diretores, comissão técnica, imprensa e convidados tiveram de pagar pelo erro da empresa com suas próprias vidas.

Há uma grande dúvida em relação à indenização às famílias das vítimas. A BISA Seguradora alega que a La Mia não cumpria com os pagamentos previstos e justamente por isso a apólice acordada não estava em vigência. Em contrapartida, o governo boliviano interpretou que o contrato entre as partes era válido, determinando que a seguradora efetuasse o pagamento aos lesados pela tragédia.

A apólice gira em torno de 25 milhões de dólares (R$ 80,25 milhões). Com dificuldades financeiras, a BISA Seguradora ainda tentou encaminhar um acordo com as famílias das vítimas, oferecendo uma indenização de 200 mil dólares (R$ 640 mil), valor considerado muito abaixo do que o devido para os parentes das vítimas. Caso o valor previsto no contrato seja realmente pago, a divisão da quantia será baseada na expectativa de vida de cada um que se foi. Ou seja, os parentes dos mais novos receberão um valor maior que os parentes dos mais velhos.

Além da esperada indenização da seguradora, as famílias também contam com o auxílio da Chapecoense, que repassou o lucro dos amistosos que realizou na Europa. Após o acidente, duas associações foram criadas para auxiliar os parentes das vítimas com o caso: a Associação dos Familiares e Amigos das Vítimas (AFAV-C) e a Associação Brasileira das Vítimas do Acidente com a Chapecoense (ABRAVIC).

Um ano depois do acidente, Alan Ruschel comenta recuperação


Confira o comunicado oficial divulgado pela Chapecoense nesta quarta-feira:


A Associação Chapecoense de Futebol vem a público informar que no dia 29 de novembro de 2017, ajuizou perante a 4a Vara Cível da Comarca de Chapeco, ação com pedido indenizatório em que figuram como réus a BISA Seguradora e Órgãos do Governo Boliviano.


Pela medida judicial a Associação Chapecoense de Futebol requer a condenação e o pagamento das indenizações decorrentes dos danos causados pelo acidente aéreo ocorrido em 29/11/2016.


Informações mais detalhadas serão enviadas aos familiares das vítimas, associações de familiares e ao público em geral após reunião do Conselho Gestor da ACF a se realizar no próximo dia 1.12.2017.

Gazeta Esportiva
Gazeta Esportiva

Todos os Direitos Reservados a(o) criador(a) deste conteúdo. Acesse o link original.