Malária no mundo volta a aumentar em 2016 e sobe para 216 milhões de casos – Observador

O número de casos de malária registados em 2016 em todo o mundo subiu 5 milhões, atingido os 216 milhões, que originaram 445 mil mortes, menos mil do que em 2015, indica esta quarta-feira um relatório da OMS. Segundo o Relatório Anual de 2017 sobre Malária no Mundo, elaborado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e que analisa 94 países, o continente africano continua a ser o que conta com o maior número de casos, com cerca de 90% do total, seguido pelas regiões do sudeste asiático (3%) e Mediterrâneo Oriental (2%).

A percentagem de África no número de óbitos é também avassaladora, uma vez que registou 91% do total, seguido pelo sudeste asiático, com 6%. Globalmente, em 2016, segundo a OMS, o número de países que têm reportado menos de 10 mil casos anuais tem aumentado desde 2010, passando de 37 nesse ano para 44 em 2016.

A OMS destacou que, em 2016, dois países – Quirguistão e Sri Lanka – foram considerados livres de malária, recebendo o respetivo certificado, enquanto a Argélia está em vias de o obter (zero casos desde 2013), e Cabo Verde, que tinha registado apenas um caso em 2012, viu subir esse total para 48 já este ano, inviabilizando a obtenção de idêntico estatuto.

Desde 2010, refere a OMS, os governos dos países em que a malária é endémica, financiados pelos doadores, gastaram mais de 19 mil milhões de dólares com a doença. Em 2016, o total investido no controlo do paludismo e na eliminação da doença ascendeu “apenas” a 2.700 milhões de dólares (2,2 milhões de euros), segundo a OMS, 41% do objetivo estimado inicialmente.

Se o financiamento de programas de combate à malária permitiu, segundo as estimativas da OMS, salvar a vida a 15 milhões de crianças, por outro lado, outras 13 milhões poderiam ter beneficiado das intervenções sanitárias que não se fizeram por falta de financiamento.

Todos os Direitos Reservados a(o) criador(a) deste conteúdo. Acesse o link original.