Pará tem 45 cidades em situação de alerta ou risco de surto de dengue, zika e chikungunya | Pará

No Pará, 45 cidades encontram-se em situação de alerta ou risco de surto de dengue, zika e chikungunya, segundo o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa). Os dados foram apresentados pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, na terça-feira (28).

No Estado, 87 municípios realizaram o LIRAa. Desse total, 7 estão em risco. Outros 38 aparecem em alerta e 42 estão em situação satisfatória. Foi divulgado ainda, boletim com novos dados de dengue, zika e chikungunya.

As capitais com índices em estado de alerta, são: Maceió (AL), Manaus (AM), Salvador (BA), Vitória (ES), Recife (PE), Natal (RN), Porto Velho (RO), Aracajú (SE) e São Luis (MA). As capitais Belém (PA), Boa Vista (RR), Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC), São Paulo (SP), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Brasília (DF) e Rio Branco (AC) não informaram os dados ao Ministério da Saúde.

O Mapa da Dengue, como é chamado o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), é um instrumento fundamental para o controle do mosquito. Com base nas informações coletadas no LIRAa, o gestor pode identificar os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito, bem como o tipo de depósito onde as larvas foram encontradas. O objetivo é que, com a realização do levantamento, os municípios tenham melhores condições de fazer o planejamento das ações de combate e controle do mosquito Aedes aegypti.

A metodologia permite identificar onde estão concentrados os focos do mosquito em cada município, além de revelar quais os principais tipos de criadouros, por região. Os resultados reforçam a necessidade de intensificar imediatamente as ações de prevenção contra a dengue, zika e chikungunya, em especial nas cidades em risco e em alerta.

O armazenamento de água no nível do solo (doméstico), como tonel, barril e tina, foi o principal tipo de criadouro nas regiões Nordeste e Centro-Oeste. Nas regiões Norte e Sul o maior número de depósitos encontrados foi em lixo, como recipientes plásticos, garrafas PET, latas, sucatas e entulhos de construção. Na região Sudeste predominou os depósitos móveis, caracterizados por vasos/frascos com água e pratos.

Todos os Direitos Reservados a(o) criador(a) deste conteúdo. Acesse o link original.