Paranaguá registra 500 casos de alergia a mariposas em quatro dias

Publicado: 29, novembro 2017 às 12:07

O número de pessoas atingidas por causa de alergia cutânea provocada por mariposas aumentou desde o final de semana, de acordo com a prefeitura de Paranaguá, no litoral do estado.

Entre domingo (26) e esta quarta-feira (29), foram registrados 562 casos de alergia, após contato com a mariposa do gênero Hylesia.  Na temporada 2010/2011 foram notificados cinco mil casos no Litoral do Paraná.

De acordo com o superintendente em Urgência e Emergência da Secretaria Municipal de Saúde, Rafael Corrêa, na segunda-feira (27), o dia foi atípico em função do aumento significativo de atendimentos na Unidade Pronto Atendimento (UPA). Só no domingo foram 100 casos da alergia e, na manhã de segunda-feira, pelo menos 20 crianças foram diagnosticadas com a alergia.

Na Clínica São Paulo, na semana passada foram vários atendimentos registrados. E no Hospital Paranaguá o atendimento deste tipo de problema têm sido 10% do atendimento diário. “Estão ocorrendo muitos atendidos”, confirmou o médico João Felipe Aurichio.

As mariposas são atraídas pela luz, invadem os domicílios e áreas externas, como varandas, sacadas e calçadas, e, ao se debaterem perto de lâmpadas, liberam as cerdas que acabam atingindo diretamente a pele ou ficam depositadas em roupas e outros objetos.

“As mariposas são atraídas pela luz, invadem os domicílios e áreas externas, como varandas, sacadas e calçadas, e, ao se debaterem perto de lâmpadas, liberam as cerdas que acabam atingindo diretamente a pele ou ficam depositadas em roupas e outros objetos”, explica a chefe da Divisão de Zoonoses da Secretaria, Gisélia Rubio.

Segundo ela, somente as mariposas fêmeas deste gênero causam dermatite. As lesões são observadas poucas horas após o contato e acompanhadas de intensa coceira. A melhora do quadro ocorre de sete a 14 dias após o inicio dos primeiros sintomas. “Há casos em que pode ser observado comprometimento oftalmológico, muitas vezes com inflamação da córnea e íris, após as pessoas coçarem os olhos”, explica.

Prevenção de acidentes:

  • Fechar janelas e portas durante o entardecer por aproximadamente 2 horas;Apagar as luzes externas das moradias;
  • Não permanecer embaixo de postes luminosos, pois as mariposas são atraídas pela luz;
  • Retirar a roupa dos varais antes do entardecer;
  • Nunca pegá-las com as mãos sem proteção, mesmo quando mortas;
  • Limpar os móveis que possivelmente foram expostos às mariposas com pano úmido e colocar este pano em um saquinho plástico antes de jogá-lo no lixo;
  • Não varrer quintais e calçadas, utilizar mangueiras ou baldes com água. Para limpeza dos assoalhos, passar um pano úmido;
  • Se houver contato com a mariposa, não levar as mãos aos olhos e lavá-las imediatamente;
  • Não coçar a pele após contato com o inseto;
  • Não tomar ou passar qualquer tipo de medicamento. Lavar abundantemente com água fria e/ou utilizar compressas frias.
  • Buscar atendimento em uma unidade de saúde o mais breve possível.

24059212_1650127161716240_6508287257631059517_n

Todos os Direitos Reservados a(o) criador(a) deste conteúdo. Acesse o link original.